Home Quem Somos? História da Música Fale Conosco
Biografia
Discografia
Fotos
   
   

Os irmãos Aníbio Pereira de Souza (Zilo) nasceu em 01 de março de 1935 e Belizário Pereira de Souza (Zalo) nasceu em 25 de maio de 1937. Ambos nasceram no Bairro Ribeirão dos Cubos, no município de Santa Cruz do Rio Pardo, no estado de São Paulo, onde o senhor David Pereira de Souza era lavrador e proprietário de um bonito sítio. Ao todo na família são em seis irmãos, sendo quatro homens e duas mulheres.
Ainda garotos, na escola, começaram a cantar. Um primo, Joaquim Mendes (ótimo compositor) ensinou-lhes as primeiras posições e ministrou-lhes as primeiras aulas para domínio do violão. Mais tarde, esse mesmo primo seria grande incentivador da dupla, dando-lhes sempre ânimo para que vencessem na carreira artística.
Em 1954, com os nomes de Pereré e Pereirinha, cantaram durante seis meses na Rádio Difusora de Santa Cruz do Rio Pardo. No final do ano, senhor David decidiu mudar-se para São Paulo, trazendo toda a família. Não foi muito fácil eles conseguirem se apresentar nas emissoras de rádio. Isso só veio acontecer em 1955, quando foram ao Circo Rancho Alegre, do Paiozinho, que surgiu a oportunidade de cantarem uma moda de viola, com a seguinte condição: se o público aplaudisse, cantariam mais uma; qual não foi a surpresa dos irmãos que tiveram que cantar quatro músicas. Reconhecendo o talento da dupla, Paiozinho e Zé Tapera os levaram para participar do Programa "Casa do Fazendeiro" na Rádio Cultura de São Paulo. Nascia assim, a dupla Zilo e Zalo.
Em 1956 decidiram participar de um concurso promovido pela Rádio Record, o "Festival Jubileu de Prata da Rádio Record". Concorreram com duzentos e cinqüenta e três conjuntos. O processo era de eliminação e, quando os juízes revelaram o nome dos quinze conjuntos classificados, Zilo e Zalo conseguiram a nona colocação. Saíram do concurso com uma bela medalha e muito ânimo para voltar a tentar o rádio como profissionais. Poucos dias depois, levados por Zacarias Mourão estrearam na Rádio Bandeirantes nos programas "Serra da Mantiqueira" e "Brasil Caboclo", programas tradicionais da época. Através de Cascatinha, em 1958 gravaram seu primeiro disco 78 rotações pela Gravadora Todamérica, com as músicas "A Volta do Seresteiro" e "Adeus do Mineiro". Depois veio o segundo disco 78 rpm, com as músicas "Obrigado Sertanejo" e "O Crime do Fazendeiro".
Sempre fiéis ao estilo a dupla gravou dezoito discos 78 rpm. Somente em 1960, gravaram o primeiro LP pela Gravadora Continental, intitulado "Zilo e Zalo Cantam para seus Fãs".
Em 1966 gravaram um compacto simples pela Gravadora Chantecler, trabalho beneficiente para ser comercializado somente fora do país, com as músicas "Castelo de Areia" e "Grande Esperança".
Nos seus quarenta e seis anos de carreira, Zilo e Zalo passaram pelas melhores emissoras de rádio da capital paulista e gravaram pelas principais gravadoras: Continental, Chantecler, Todamérica, RCA Víctor, Tropicana, Copacabana, CBS, Beverly, Globo Gravações e MM.
Gravaram ao longo de sua carreira um total de 18 discos 78 rpm, 32 LPs e 04 CDs de Coletâneas.
Entre seus grandes sucessos: A Volta do Seresteiro, Feitiço Espanhol, A Grande Esperança, Vingança do Caçador, A Marca da Traição, O Incêndio, Chora Coração, O Milagre do Ladrão, Mineiro de Monte Belo, entre outros.
A dupla só veio a se desfazer com a morte de Zilo ocorrida em 06 de janeiro de 2002.
Graças as lindas vozes e ao grande sucesso alcançado, merecidamente receberam o slogan "AS VOZES ENCANTADORAS DO SERTÃO".
Zalo deu continuidade ao seu trabalho cantando com seu filho Renato, até que em 01 de agosto de 2012 veio a falecer com problemas cardíacos.

     

 

 

Texto: Sandra Cristina Peripato